Buscar

SINPESCA/PA mobilizando entidades e governo para combater assaltos a barcos pesqueiros

Pescadores que atuam no estado do Pará, denunciam atuação de piratas.

Em reunião, com Delegado Geral de Polícia Civil do estado do Pará, Walter Resende de Almeida, Diretor de Polícia Metropolitana, Delegado Carlos Daniel Fernandes de Castro, Diretor de Polícia do Interior, Delegado Hennison José Jacob Azevedo, Vice Presidente da FIEPA, José Maria Mendonça e o Diretor Jurídico do SINPESCA/PA, Sr. Luiz Denival, o Sr. Apoliano Nascimento, Pres. SINPESCA/PA, encaminhou aos órgãos competentes o pedido da necessidade de reforçar a segurança ostensiva marítima para contenção ao crescente número de assaltos as embarcações de pesca industrial.


“Só de janeiro pra cá já foram assaltadas mais de 6 embarcações” comenta Apoliano


“Os constantes assaltos nas embarcações, antes era quando a embarcação voltava do mar, hoje é quando ela vai para o mar, eles levam combustível, equipamentos eletrônicos, equipamentos de pesca e alimentação da tripulação, causando terror na tripulação e enorme prejuízo aos armadores.’’ Comentou o Presidente do SINPESCA/PA

Além de perder o óleo já abastecimento, os armadores também perdem os dias de liberação da pesca causando ainda mais prejuízo.

O SINPESCA/PA estima que a cada semana ocorram, em média, quatro assaltos e roubos a embarcações na região.

Segundo a FIEPA toda semana ocorrem denúncia de pescadores que tiveram embarcações e materiais de pesca levados por piratas. Desde o início do ano, os crimes têm acontecido com mais frequência, a onda de assaltos vem preocupando os pescadores, que temem ser mortos pelos assaltantes.


Depoimento de pescador, vítima dos "piratas".



Na tentativa de resolver o problema, o SINPESCA/PA e FIEPA reuniu-se com autoridades responsáveis.

A reunião foi produtiva e todos os entes, estão alinhados e com o compromisso firmado de solucionar o problema.

Além disso, ofício à Marinha do Brasil esta sendo enviado, solicitando também, que providências sejam tomadas para coibir a ação destes “piratas”.