Buscar

PESCANDO LIXO


O litoral brasileiro, com seus quase 11 mil km, está sendo engolido pelo lixo. Todo mês os brasileiros jogam no oceano 167 mil toneladas de resíduos sólidos – o que equivale ao peso de 146 estátuas do Cristo Redentor. Mas só 280 toneladas foram retiradas dos mares brasileiros desde 2019, de acordo com a plataforma Combate ao Lixo no Mar. Do total, metade dos itens recolhidos foram plásticos, seguido por bitucas de cigarro – só elas pesaram o mesmo que uma baleia-franca. O =igualdades desta semana faz um raio X da quantidade de lixo no mar no Brasil.



O brasileiro joga no mar, todo mês, cerca de 167 mil toneladas de lixo – o que equivale ao peso de 146 estátuas do Cristo Redentor. Em todo o mundo, por ano, mais de 25 milhões de toneladas chegam ao oceano. Cerca de 80% dos resíduos sólidos que desembocam no mar são decorrência das atividades humanas no continente.


A plataforma Combate ao Lixo no Mar, do Ministério do Meio Ambiente, divulga a quantidade de resíduos sólidos coletados no mar em mutirões de limpeza realizados por Organizações da Sociedade Civil e pelo poder público. De 2019, quando a ferramenta entrou em vigor, a março de 2022, foram retiradas 279,5 toneladas de lixo das águas brasileiras – o que equivale ao peso de 17,5 ônibus.


Se forem contabilizados todos os itens resgatados no mar desde 2019, o plástico ganha disparado, pois corresponde a 53% dos materiais coletados. Em seguida, vêm outros resíduos, que incluem principalmente bitucas de cigarro, com 21%, e vidro, com 8%.


Desde 2019, a plataforma Combate ao Lixo no Mar registrou mais de 124 mil bitucas de cigarro coletadas nas praias – o que equivale ao peso de uma baleia-franca. No ranking de quantidade de itens resgatados, separados por tipo, as guimbas de cigarro encontram-se no topo da lista, seguidas por fragmentos de plástico (maiores que 2,5 cm).


A poluição no mar prejudica a vida marinha, causando a morte de muitos animais. Em um estudo feito entre 2015 e 2019, nas regiões Sudeste e Sul, das 3.725 necrópsias em mamíferos, aves e répteis que ingeriram algum tipo de detrito não natural, metade localizaram fragmentos de plástico, como sacolas, embalagens, tampas de caneta e de garrafa PET, botões, entre outros.


Das Unidades da Federação, Santa Catarina foi a que realizou mais mutirões de limpeza desde 2019. Ao total, foram 68 ações, sendo Palhoça, Imbituba e Florianópolis as cidades com maior quantidade. Em quinto lugar no ranking, São Paulo realizou apenas 31 mutirões no mesmo período.


Dos 430 mutirões de limpeza do lixo no mar realizados pelo Brasil, 230 foram feitos por Organizações da Sociedade Civil, como o Limpa Brasil, e 178 pelo poder público.


Fontes:

piaui.folha por /Amanda Gorziza e Renata Buono


Associação Internacional de Resíduos Sólidos e Abrelpe; Prefeitura do Rio de Janeiro; Ministério do Meio Ambiente; ABNT; Projeto Franca Austral; Associação de Defesa da Saúde de Fumante; ONG Oceana