Buscar

Pescadores mudam redes para proteger fundo do mar

Mudança ocorreu após o alerta dos ambientalistas sobre a pesca de arrasto.




João Carlos e Braz (Foto: Roberta Bourguignon)


Após o alerta dos ambientalistas sobre a pesca de arrasto, o Sindicato dos Pescadores do Espírito Santo (Sindpesmes) informou que a preocupação dos pescadores com o mar é grande e, por isso, há anos eles fazem adaptações nas redes e respeitam o período de defeso do camarão, para que a espécie se reproduza no momento certo.

O presidente do Sindpesmes, João Carlos Gomes da Fonseca, 48, relata que pesca há 35 anos e, desde que começou no ramo, ainda adolescente, acompanha de perto a preocupação com o mar.


“Fazemos o máximo para não estragar a natureza. É do mar que sai o nosso sustento. Os arrastões são na areia e lama. O camarão fica escondido nesses lugares. Ao passarmos com os arrastões, não deixamos deserto. Alguns peixes são doados aos mais necessitados e até o lixo nós trazemos para o descarte de forma correta”, afirmou.


Ainda segundo João Carlos, há uma grande preocupação com as tartarugas, que ao serem capturadas, são devolvidas ao mar.


Vice-presidente do Sindpesmes, Braz Clarindo Filho, 48, que é filho, neto e bisneto de pescador, afirmou que os arrastões são monitorados há anos e que o desequilíbrio ambiental não chega acontecer.


Fonte: Tribuna online


AC2 Produção, Comunicação & Marketing