top of page
Buscar

Navio sísmico: Canhões de ar comprimido disparam pulsos que afastam os peixes!


Na região da na bacia de Pelotas, uma atividade licenciada e autorizada pelo IBAMA. pode causar danos ambientais irreversíveis.


A atividade de pesquisa sísmica é um método geofísico amplamente utilizado pela indústria do petróleo para mapear áreas de interesse exploratório. Nos levantamentos marítimos, a técnica mais comum envolve uma embarcação sísmica que reboca arranjos de canhões de ar comprimido (“airguns”) que emitem pulsos intervalados (10 – 15 segundos) de alta intensidade. As ondas sonoras geradas se propagam pela coluna d'água até o subsolo, onde interagem com diferentes camadas geológicas. Os ecos refletidos são então captados por hidrofones dispostos em longos cabos (“streamers”), também rebocados pela embarcação. A informação sonora registrada é processada para gerar o imageamento da subsuperfície, orientando o planejamento de etapas futuras, como a perfuração de poços para exploração e produção de óleo e gás, e o monitoramento da evolução dos reservatórios.



No entanto, a pesquisa sísmica está entre as atividades humanas que mais contribuem para a poluição sonora no ambiente marinho, ocasionando danos ambientais significativos. Os intensos ruídos gerados pelos canhões de ar comprimido podem causar uma série de impactos prejudiciais à vida marinha. Mamíferos marinhos, como baleias e golfinhos, podem sofrer perda auditiva temporária ou permanente, além de alterações comportamentais graves, como desorientação, interrupção de padrões de alimentação, migração e reprodução. Peixes e invertebrados também são afetados, apresentando estresse, mudanças de comportamento e até mortalidade em casos extremos.



Os recifes de corais, habitats essenciais para muitas espécies marinhas, podem sofrer danos físicos devido às vibrações e ao som intenso. A fauna associada a esses recifes também pode ser perturbada, levando a desequilíbrios ecológicos. Além disso, os impactos acumulativos da pesquisa sísmica, quando combinados com outras atividades humanas, como a pesca e o transporte marítimo, contribuem para a degradação geral dos ecossistemas marinhos.


Devido ao potencial de impactos agudos e crônicos sobre os diferentes grupos de organismos marinhos, a gestão da poluição acústica no mar tornou-se um tópico prioritário no debate regulatório e científico global. No Brasil, o licenciamento ambiental das atividades de pesquisa sísmica marítima é realizado pelo IBAMA desde 1999, através do Escritório de Licenciamento das Atividades de Petróleo e Nuclear (ELPN), sediado no Rio de Janeiro. O fim do monopólio estatal das atividades de exploração, produção, refino e transporte de petróleo no país em 1997, seguido pela abertura do mercado petrolífero a empresas estrangeiras, gerou um aumento na demanda por atividades na costa brasileira, intensificando a necessidade de regulamentação e mitigação dos impactos ambientais associados.



Esta operação exige uma área de restrição da presença de outras embarcações de até 8 km do navio de sísmica.


Áudio de pescador desesperado com a situação


ÁUDIO PESCADOR

Entenda o problema


A área deste levantamento sísmico, especifico, está localizada onde se encontram operando diversas embarcações de longline para atum e espadarte, além de uma embarcação de covos para caranguejo. Os pescadores foram surpreendidos enquanto trabalhavam nessa área, sendo informados que deveriam recolher seus petrechos e deixar o local livre para o navio de sísmica, isso, em plena safra!

No termo de referência para Pesquisa Sísmica apresentado pelo IBAMA, foi constatado que não foram considerados impactos sobre a atividade pesqueira na região afetada. Apenas foram considerados potenciais impactos e medidas de mitigação para a fauna marinha, como baleias, tartarugas e albatrozes.


Será que estes dados foram realmente considerados?


Será que a empresa NAV Oceanografia responsável pelas pesquisas técnicas e ambientais não "esqueceu" de mais nada?


Segundo informações a data de início da pesquisa atrasou.


Será que o termo de referencia estava baseado na data que deveria ter iniciado a pesquisa sísmica?

Ao ocorrer o atraso, não se deveria rever os dados?


Conforme o Termo de Referência do IBAMA, atividades de pesca além dos 200 metros de profundidade não são impactadas pela pesquisa sísmica, e portanto, não necessitam ser avaliadas.

Como visto, foi completamente ignorada a atuação de mais de 50 embarcações em plena safra de espécies oceânicas transacionais que o Brasil possui cotas de captura a cumprir das espécies albacora-bandolim, tubarão-azul e espadarte.


A NAV Oceanografia também é responsável por avaliar as ações necessárias para resolver a situação de conflito que podem ocorrer na região, conflitos esses que obviamente se sabia que ocorreriam com a pesquisa sendo realizada em plena safra em uma região pesqueira.


A pergunta é, porque insistiram no conflito?


Quais os interesses?


Quais as ações então estão sendo tomadas?

Nada! O que a NAV Oceanografia esta realizando até agora de efetivo, é uma pressão descabida junto as embarcações pesqueiras e seus comandantes, para que se retirem da proa do navio sísmico, deixando para traz sua pescaria, simples assim!


A pesquisa sísmica marinha, como já exposto acima, é utilizada principalmente na exploração de petróleo e gás e pode ter diversos impactos ambientais. Esses impactos variam de acordo com a intensidade da atividade sísmica, a localização e a duração desta pesquisa e as espécies presentes no ambiente marinho., que neste caso são atuns e espadartes, além de caranguejos.



Impactos sobre a Vida Marinha


Distúrbios Auditivos e Fisiológicos em Mamíferos Marinhos:

Mamíferos Marinhos: As ondas sísmicas podem causar perda auditiva temporária ou permanente em baleias, golfinhos e outros mamíferos marinhos. Esses animais dependem fortemente do som para navegação, comunicação e caça.


Estresse e Mudanças de Comportamento: Pode ocorrer alteração nos padrões de alimentação, migração e comportamento reprodutivo.

Impacto em Peixes e Invertebrados:


Peixes:

Podem sofrer danos auditivos, mudanças no comportamento de cardume e fuga de áreas de alimentação e reprodução.


Invertebrados Marinhos: Embora menos estudados, podem também sofrer estresse e alterações comportamentais.

Impactos sobre os Recifes de Corais:


Danos Físicos:

A vibração e o som intenso podem danificar estruturas de corais.


Perturbação de Ecossistemas:

A fauna associada aos recifes pode ser perturbada, levando a desequilíbrios ecológicos.

Impactos nos Ecossistemas


Alterações nos Padrões de Comportamento:


Migração e Alimentação:

Muitos animais marinhos alteram suas rotas migratórias e padrões de alimentação para evitar áreas de atividade sísmica.


Redução de Populações Locais:

Em áreas com atividade sísmica intensa, pode ocorrer diminuição temporária ou permanente das populações de certas espécies.


Efeitos Acumulativos:

Quando combinada com outras atividades humanas, como a pesca e o transporte marítimo, a pesquisa sísmica pode contribuir para a degradação geral dos ecossistemas marinhos.


Medidas Mitigadoras


Para minimizar esses impactos, diversas medidas mitigadoras podem ser implementadas:


Monitoramento de Mamíferos Marinhos:

Observadores treinados e uso de dispositivos acústicos podem ajudar a detectar a presença de mamíferos marinhos, permitindo pausas na atividade sísmica.


Zonas de Exclusão:

Definir zonas de exclusão onde a atividade sísmica é limitada ou proibida durante certos períodos (por exemplo, durante a migração ou a época de reprodução, áreas de pesca).


Planejamento e Avaliação de Impacto:

Realizar avaliações ambientais detalhadas antes de iniciar a pesquisa sísmica e desenvolver planos de mitigação específicos para a área.


Essas medidas ajudam a equilibrar a necessidade de exploração de recursos com a proteção dos ecossistemas marinhos e suas espécies e devem ser amplamente discutidas entre os entes usuários deste ecossistema.


 

ABIPESCA- ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS INDÚSTRIAS DE PESCADOS, se posiciona com relação aos impactos das atividades de prospecção sísmica na Bacia Sedimentar de Pelotas sobre a pesca oceânica. Nota emitida.

Nota ABIPESCA ao MPA
.pdf
Fazer download de PDF • 91KB
 

Fontes que discutem os impactos ambientais das pesquisas sísmicas no meio marinho:

Essas fontes oferecem uma visão abrangente e detalhada sobre os impactos das pesquisas sísmicas no ambiente marinho e as práticas de mitigação recomendadas.


National Oceanic and Atmospheric Administration (NOAA):

  • NOAA Fisheries tem várias publicações e relatórios sobre os impactos das pesquisas sísmicas nos mamíferos marinhos e outras espécies marinhas.

  • NOAA Fisheries - Acoustic Impacts



International Association of Oil & Gas Producers (IOGP):

  • Publicações e guias sobre as práticas de mitigação e avaliação de impacto ambiental na exploração sísmica.

  • IOGP - Environmental Management in Oil & Gas Exploration and Production


World Wide Fund for Nature (WWF):

  • Relatórios sobre os impactos das atividades humanas, incluindo pesquisas sísmicas, na biodiversidade marinha.

  • WWF - Seismic Surveys


Marine Mammal Commission:

  • Estudos e relatórios sobre os efeitos do ruído subaquático em mamíferos marinhos.

  • Marine Mammal Commission - Sound in the Ocean


Scientific Publications:

  • Artigos de revistas científicas revisadas por pares, como a "Marine Pollution Bulletin" e "Journal of the Acoustical Society of America", que frequentemente publicam estudos sobre os impactos do ruído sísmico na vida marinha.


Environmental Impact Assessments (EIAs):

  • Relatórios de EIAs realizados por empresas de consultoria ambiental para projetos específicos de exploração sísmica.



Comentarios


bottom of page