China volta atrás sobre Coronavírus no salmão e varejo retoma vendas

forsafelogo.png
logo.png
logo_20sindipi0.png
GC_20020.png

Uma semana após terem associado o novo surto de coronavírus em Pequim ao salmão, responsáveis sanitários da China voltaram atrás e concordaram com especialistas globais de que é “improvável que o comércio de alimentos seja responsável”. Segundo reporta o Infomoney, “nenhuma restrição alimentar será imposta”, disse Song Yueqian, um representante da administração da alfândega, em conferência de imprensa na sexta-feira.

 

“Não há evidências de infecção pelo sistema digestivo por meio do consumo de alimentos, incluindo frutos do mar”, disse na mesma conferência Feng Luzhao, pesquisador do Centro de Controle e Prevenção de Doenças da China.

 

O texto indica ainda que a nova postura da China deve reduzir a fiscalização de alimentos importados, o que seria um alívio para exportadores de frutos do mar, cujas vendas para a China já haviam caído mais de 30% nos primeiros quatro meses do ano, antes de Pequim identificar um novo foco de casos de Covid-19 neste mês.

 

Depois que as novas infecções foram identificadas, o departamento aduaneiro disse que havia testado um total de 47.812 amostras de frutos do mar, carne, legumes e frutas importados, além de embalagens e câmaras frigoríficas, todas com resultados negativos para o coronavírus.

Os testes foram realizados entre 11 e 18 de junho.

 

Com isso, centrais atacadistas e supermercados chineses já retomam a comercialização de salmão, registra o Undercurrent News. Em alguns locais, produtos receberam uma etiqueta indicativa de que foram reinspecionados e liberados pela alfândega chinesa.

AC2 Produção, Comunicação & Marketing