CARTA DA MAÇONARIA CATARINENSE À SOCIEDADE E ÀS AUTORIDADES DOS PODERES CONSTITUÍDOS

forsafelogo.png
logo.png
logo_20sindipi0.png
GC_20020.png

A Maçonaria Catarinense, pelas três Potências Maçônicas regulares e unidas com jurisdição no Estado de Santa Catarina (Brasil), neste cenário de pandemia que acarretará graves consequências à sociedade em geral, principalmente para a saúde e para a economia, em especial para nosso Estado, que também atravessa dificuldades no momento que acenava para um ano de recuperação e de crescimento, se dirige à Sociedade Catarinense e às Autoridades dos Poderes Constituídos, para apresentar sugestões especialmente focadas na área econômica, visando diminuir os efeitos negativos atual e pós-coronavirus (manutenção e geração de empregos, manutenção e geração de renda e geração de movimento econômico): 

1.    Que as lideranças políticas deste País, com seus segmentos ativos na sociedade, cessem a luta por resultados eleitoreiros e ajam pelo bem da população, deixando de fazer intervenções que afetam a economia ou, se necessário, que o façam de modo a causar o menor impacto possível;
2.    Destinação dos recursos previstos para o Fundo Partidário (Fundo Especial de Assistência Financeira aos Partidos Políticos) e Fundo Eleitoral (Fundo Especial de Financiamento de Campanha), para a promoção da saúde, combate a COVID-19 e para a recuperação urgente da economia do país, revitalizando-a e oxigenando-a para gerar movimento econômico, emprego e renda.
3.    Atuação, através do Sr. Governador do Estado, da bancada catarinense no Congresso (Senadores e Deputados Federais) e das organizações socioeconômicas através dos seus entes Federados, pelo prévio planejamento, organização e pelo conhecimento das decisões, com implantação de coordenações das ações da saúde e da área econômica (integradas) a nível nacional, estadual e regionais; 

da área econômica (integradas) a nível nacional, estadual e regionais; 

4.    Formação de um gabinete de crise multilateral com a sociedade catarinense, decidindo neste ambiente de crise com base no entendimento preferencialmente harmônico, mediante um franco e uníssono diálogo entre os Poderes constituídos (Executivo, Legislativo e Judiciário) e as representações da sociedade organizada;
5.    Divulgação, pela Secretaria de Saúde do Estado, do diagnóstico, do plano e das metas de curto prazo para suprir a sociedade catarinense de estrutura de atendimento para a saúde frente ao CORONA-19 (maior pico projetado), como: infraestrutura, equipamentos, insumos, etc., para que a sociedade catarinense possa se organizar para o auxílio nesta tarefa, minimizando efeitos negativos na economia;
6.    Implementação integral das ações econômicas do Governo Federal, anunciadas pelo Ministério da Economia, pelo BNDES –Banco Nacional do Desenvolvimento e pelo Banco Central do Brasil, com o necessário esforço dos Estados para a desregulamentação impeditiva e desburocratização, atento às questões atípicas geradas pela crise, das condicionantes de certidões negativas e garantias face a implantação do Fundo Garantidor do Tesouro;
7.    Implementação de um Pacto Nacional brasileiro, a exemplo do “Plano Marshall” (adotado pelos EUA na década de 1930), reconstruindo a nossa Nação no pós-pandemia;
8.    Flexibilização da LRF – Lei de Responsabilidade Fiscal para exercício de 2020 para a União, Estados e Municípios;
9.    Para com os Municípios:

I.    Governo Federal:
a)    Manter o repasse do FPM – Fundo de Participação dos Municípios igual ao exercício de 2019, para o exercício corrente de 2020.
II.    Governo Estadual:
a)    Garantir repasses da cota-parte do ICMS municipal igual ao exercício de 2019, para o exercício corrente de 2020.

b)    Adiantar o pagamento das últimas quatro parcelas da dívida do FUNDOSOCIAL do Estado com os municípios;
c)    Adiantar o pagamento de cerca de R$ 40 milhões da dívida da saúde do Governo do Estado no cofinanciamento da atenção básica da saúde;
d)    Revisar o parcelamento e adiantamento do pagamento do FUNDOSOCIAL do Estado com os municípios, referente ao FUNDEB.

10.    Promoção de incentivos para que os microempreendedores individuais (MEI) possam continuar suas atividades e ainda contar com maior apoio do governo, como:
I.    Parcelamento dos tributos e contribuições devidas no período em que perdurar a crise;

I.    Microcrédito subsidiado e desburocratizado pelo BNDES para a obtenção de taxas reduzidas, possibilitando fluxo de caixa para a retomada das atividades.
II.    Ampliação do rol das profissões que podem trabalhar sob o regime de Microempreendedor Individual;
III.    Possibilidade de prestação de serviços nesta modalidade para um único contratante.

11.    Promoção de ações para EPP, Micro e Pequenos Empreendedores:
II.    Parcelamento dos tributos e contribuições devidas no período em que perdurar a crise;
III.    Microcrédito subsidiado e desburocratizado para a obtenção de taxas reduzidas, possibilitando fluxo de caixa para a retomada das atividades;
IV.    Através do eixo BNDES, BRDE e BADESC:
a)    Valor financiável de R$ 15 mil a R$ 150 mil
b)    CARÊNCIA: 6 meses
c)    JUROS: máximo de 0,3% a.m.
d)    PRAZO TOTAL: 60 meses com pagamento mensal decrescente
e)    GARANTIA REAL: Uso do Fundo Garantidor do Tesouro Nacional e redução no tempo de registro em cartório

12.     Promoção de incentivos fiscais para que as empresas optantes pelo SIMPLES possam retomar sua atividade de forma estruturada:
I. Ampliação do faturamento do regime de Simples Nacional, durante o exercício de 2020 e 2021, para empresas de faturamento até R$ 10 milhões;
II. Equiparação da carga tributária de todos as atividades e anexos para o Anexo 03, possibilitando uma menor carga tributária.
13.     Implementação de melhorias nas estruturas de garantias do país:
I.    Aceitação integral para operações do Fundo Garantidor do Tesouro Nacional;
II.    Aceitação por parte dos bancos públicos de fomento de garantias fiduciárias de 2º grau;
III.    Credenciamento de empresas terceirizadas para a avaliação e emissão de laudo de avaliação das garantias reais para agilizar
o    trabalho das agências de fomento;
IV.    Redução do prazo para a concessão de um empréstimo pelo BNDES nas operações diretas e indiretas;

Redução do prazo para a concessão de um empréstimo pelo BRDE e BADESC nas operações diretas e indiretas; Desregulamentar e desburocratizar acesso aos financiamentos, sendo que muitas não terão CNDs e nem imóvel para garantias;

14.    Redução de tributos para o exercício de 2020 a nível federal, estadual e municipal, com uso de reservas do Tesouro e do Banco Central, para reduzir encargos e gerar movimento econômico, emprego e renda:
I.    Reduções com prazo necessário a suplantar a pandemia do COVID – 19.
II.    Os tributos que estiverem em aberto, moratória de 12 meses, para serem liquidados através de um REFIS para cada Ente (União, Estado e Município) e com prazos estendidos.
15.    Autonomia empresarial para os períodos de funcionamento e ainda:
I.    Liberação integral do FGTS;
II.    Permitir que as empresas estabeleçam a redução de jornada de trabalho e de salário, de forma proporcional. E ampliar o percentual da redução de jornada e salário proporcionais, previsto no art. 503 da CLT.

III. Viabilizar jornadas de trabalho em diversos turnos, sem a incidência de adicional de hora noturna e sobre domingos e feriados.

16.    Investimentos públicos com a presença maciça do Estado e mediante parcerias, na retomada de obras de infraestrutura:
I.    Intensificar os programas de privatizações e de PPPs –Parcerias Público Privadas para incrementar o rápido desenvolvimento;
II.    Implementar programa de melhoria logística com investimento em rodovias, hidroelétricas, adaptação dos hospitais para enfrentamento de novas pandemias e incentivo à construção civil. Ao mesmo tempo, reduzir a burocracia e agilizar a liberação de projetos e empreendimentos que gerem emprego e renda.
17.    Redução do custeio e do volume da folha de pagamento do Setor Público:
I.    Implementação de ações para a redução dos percentuais de custeio e da folha de pagamento da União, Estados e Municípios nos seus orçamentos.
18.    Ação do Banco Central junto ao sistema financeiro nacional:
I.    Redução dos custos para a operação de empréstimos e financiamentos, através das Instituições Financeiras pelos próximos 12 meses;
II.    Prorrogação e renegociação de prazos, juros e encargos de empréstimos bancários já contratados;
III.    Oferta de recursos pelos Bancos, para empréstimos com juros menores para capital de giro.
19.     Outras sugestões aos Governos Federal e Estadual:
I.    Desoneração de folha de pagamento para manutenção de empregos;
II.    Destinar recursos dos orçamentos impositivos para a área da saúde e reaquecimento da economia;

III.    Redução imediata das verbas parlamentares em todos os níveis;
IV.    Devolução imediata ao Executivo, da projeção de sobras dos repasses deste ao poder Judiciário;
V.    Adiamento do pleito eleitoral de 2020 para 2022, diminuindo as tensões e os interesses eleitorais que estão colidindo, afetando a harmonia e concordância de ações estratégicas, coincidindo em eleições gerais únicas, proporcionando redução de custos e despesas no formato atual com eleições a cada 2 anos;
VI.    Ampliação do seguro desemprego;
VII.    Extensão da moratória para EPP e Micro empresas que estão no Lucro Presumido e Real (governo federal);
VIII.    Reparcelamento do ICMS de março, abril e maio de 2020 com a edição de um REFIS estadual emergencial;
IX.    Implantação de central de distribuição de donativos via defesa civil.

A Maçonaria, por nossas Instituições permanece receptiva a sugestões e à disposição dos Poderes Constituídos para, de forma fraterna e proativa, zelar pela saúde e economia do Estado catarinense. 
Que o Grande Arquiteto do Universo esteja ao vosso lado vos amparando e protegendo! 
Fraternalmente, 

AC2 Produção, Comunicação & Marketing