AC2 Produção, Comunicação & Marketing

A safra da tainha terminou hoje quarta-feira (31)

A safra da tainha terminou hoje quarta-feira (31),  reclamações e expectativas para a safra de 2020 já começaram. Em 2019, 29 embarcações conseguiram autorização do governo federal para pescar 18 delas, em Santa Catarina. Na terça-feira, alguns barcos que conseguiram licença tardia ainda não haviam completado a cota e seguiam em alto-mar tentando correr atrás do prejuízo imposto por desmandos e confusões judiciais.

O coordenador da Câmara do Cerco do Sindicato dos Armadores e das Indústrias da Pesca de Itajaí e Região (Sindipi), Agnaldo Hilton dos Santos, diz que o setor fecha a temporada de pesca com a sensação de ter sido injustiçado. A safra industrial da tainha foi suspensa pela Justiça antes de começar, e foi autorizada com um mês de atraso, depois que o governo conseguiu comprovar que há segurança no Sistainha, o sistema de contagem da Secretaria Nacional de Aquicultura e Pesca (SAP).

Como cada barco, desta vez, teve uma cota individual de cerca de 50 toneladas, a tendência é que a safra não ultrapasse o limite estimulado pelo governo. Este ano, a pesca industrial compensou com redução no número de embarcações e na quantidade de peixe liberada o excesso de capturas em 2018.

A preocupação dos armadores e pescadores e com os novos parâmetros para a próxima safra, que vão surgir do trabalho dos observadores de bordo, profissionais que foram contratados pelo Ministério da Agricultura para acompanhar de perto o trabalho das embarcações. Ao todo, sete observadores tiveram treinamento custeado pelo governo, feito pelo Instituto Sagres, de Brasília. Três deles eram do Pernambuco, e os demais de Santa Catarina. Com o atraso na liberação da safra, os observadores do Nordeste foram dispensados.