Buscar

Subproduto do camarão pode impulsionar biopesticidas

 

Pesquisadores da University of New Hampshire (UNH) se uniram a colegas da Pennsylvania State University para investigar se um subproduto da casca do camarão da indústria de frutos do mar poderia ajudar a controlar uma das doenças mais devastadoras que a indústria da maçã enfrenta nos Estados Unidos.  

A estudante de graduação da UNH, Liza DeGenring, está investigando o desenvolvimento de novas ferramentas para gerenciar a crosta de maçã para agricultores do Nordeste. Especificamente, ela está investigando a combinação de micróbios benéficos com um composto natural chamado quitosana.  


Muitos microrganismos benéficos associados às plantas foram comercializados e vendidos como biopesticidas para uso na agricultura para reduzir as doenças das plantas. A indústria de árvores frutíferas começou a adotar essas ferramentas alternativas com algum sucesso. Esses produtos incluem o Serenade ASO e o Double Nickel 55, ambos baseados em bactérias benéficas. A adoção generalizada de biopesticidas, entretanto, tem sido limitada devido a inconsistências em sua eficácia. 

“Como os biopesticidas são produtos vivos, sua atividade é afetada pelo meio ambiente. Os biopesticidas frequentemente não crescem e mantêm níveis populacionais altos o suficiente no pomar ou não produzem compostos antifúngicos nos níveis necessários para suprimir a doença. É cada vez mais reconhecido que resolver essas questões é a chave para aumentar a adoção de biopesticidas. Estou investigando uma maneira de aumentar a eficácia dos biopesticidas usando quitosana. Há evidências de que a quitosana pode atuar como fonte de alimento para os biopesticidas e estimular a produção de enzimas antifúngicas, potencializando sua utilidade”, afirmou. 

AC2 Produção, Comunicação & Marketing