Buscar

COMUNICADO DE IMPRENSA: OPRAS diz não ao acesso Portuário para Embarcações Estrangeiras!


Quinta-feira, 01 de abril de 2021

OPRAS - Organização para Proteção dos Recursos Pesqueiros do Atlântico Sul, expressou rejeição absoluta das iniciativas para conceder acesso ao porto a navios de pesca estrangeiros.

Foto: Dr. Eduardo Pucci, Diretor Executivo da OPRAS


Dada a alegada possibilidade de dar acesso aos portos argentinos a embarcações de bandeira chinesa que operem nas águas adjacentes à Zona Econômica Exclusiva, só é possível expressar o rechaço absoluto dessa alternativa, qualquer que seja o motivo invocado. essa alternativa a ser encontrada em análise, agora, em áreas do Porto de Comodoro Rivadavia.

Recentemente, foi proposto, da província de Chubut, considerar o acesso aos portos e o apoio logístico para as embarcações chinesas que pescam em alto mar, como uma iniciativa que visa melhorar a situação irregular atual na área. Tendo-se antecipado, em outras ocasiões, a recusa de abrir os nossos portos a quem protagonize a depredação dos recursos do Atlântico Sul, convém assinalar o seguinte: - 1.- Os Portos definidos pela Lei da Navegação e pela a Convenção das Nações Unidas, além de outros regulamentos, estão localizados dentro do mar territorial e sob a soberania exclusiva do Estado costeiro, sendo seu poder definir o seu uso e autorizar ou negar a entrada de navios nos mesmos por motivos de …… de "ordem pública". 2.- Com os mesmos critérios, o Acordo sobre Medidas do Estado do Porto para Desencorajar e Eliminar a Pesca IUU (2009) em vigor no direito internacional desde 2016, assinado na FAO e no Congresso para ratificação. Estabelece não apenas obrigações, mas também o direito explícito do Estado do porto de negar a entrada quando se presume que existiu ou existe pesca IUU, como ocorre em nosso caso com as frotas estrangeiras em águas adjacentes à ZEE argentina. Local de presença habitual de embarcações estrangeiras, nomeadamente de origem chinesa, em termos numéricos, que explorem recursos transzonais e associados sem respeitar quaisquer critérios de ordenação ou sustentabilidade ou as normas ditadas pelo Estado costeiro para a sua utilização racional em bases científicas.

3.- Com efeito, não existe qualquer razão jurídica que obrigue ou induza a conceder apoio portuário a embarcações estrangeiras que não realizem um tráfego comercial normal de importação e exportação. Estas embarcações agem com devassidão flagrante na ausência de regimes ou normas aplicáveis ​​na Área adjacente, sempre e permanentemente incorrendo nos conceitos e definições de "Pesca Não Declarada e" Pesca Não Regulada "que compõem a Pesca IUU - Pesca IUU, para além das repetidas ocasiões em que a ilegalidade também se manifesta ao operar clandestinamente dentro da ZEE. 4.-Em matéria de pesca, a utilização do apoio portuário e logístico nunca é consequência de passagem inocente ou neutra e, pelo contrário, é um elo necessário e essencial para a exploração dos recursos off shore. A sua disponibilidade é decisiva para viabilizar a operação de frotas remotas e condiciona o seu resultado. 5.-Ter um porto próximo ao pesqueiro aumenta exponencialmente o interesse dos armadores chineses e outros nas capturas a serem obtidas e reduz significativamente seus custos já subsidiados. Não é sensato esperar que isso resulte em melhores condições de armazenamento. Ao contrário, a capacidade de exploração de estrangeiros será aumentada e seu comportamento irregular e evasivo será mantido. Como têm aparecido até agora em todos os casos de tentativa de inspeção ou visita, por parte das autoridades de controle, obrigadas a realizar perseguições, arriscadas, onerosas e malsucedidas em muitos casos. 6.- Os custos dos navios chineses que operam na milha 201- com subsídios ao gasóleo, isenções tarifárias, e outros tais como composição da tripulação e salários, contribuições do Estado, etc. permitem a continuidade da concorrência desleal, perante os mesmos mercados importadores, perante os nossos mesmos clientes. Basta mencionar que o custo de nossas embarcações é várias vezes superior ao custo operacional chinês. 7.- Por este motivo, o porto ou portos do estado costeiro em frente à zona de pesca, passam a ser fundamentais no momento das negociações políticas e económicas e constituem um elemento de negociação de vital importância à disposição do estado costeiro, em neste caso, Argentina. 8.- As embarcações da frota argentina de lulas, por exemplo, só trabalham 3 meses dos 7 que, em tese, a temporada de pesca duraria de acordo com as normas e fundamentos científicos que regem o ZEE. Obviamente, as frotas estrangeiras não respeitam os períodos de abertura e encerramento das estações, a presença de juvenis, a taxa de fuga ou qualquer outra medida de conservação da espécie. Esse comportamento irresponsável de exploração se repete e afeta outras espécies, tanto de pernas abertas quanto associadas, e não apenas a lula, mas toda a cadeia alimentar e o equilíbrio do sistema biológico. 9.-O Atlântico Sudoeste é palco de uma depredação brutal e desavergonhada por frotas estrangeiras, nomeadamente chinesas, em desrespeito das obrigações internacionais e dos interesses e direitos do nosso país sobre os recursos da área. Não satisfeitos com isso e em troca de alguma outra negociação comercial em andamento, querem que a Argentina, vítima de seu comportamento irregular, facilite sua tarefa, economize seus custos e aumente sua produtividade, dando-lhes instalações portuárias para abastecimento, combustível, reparos, etc. . 10.-In OPRAS a preocupação e objetivo é a pesca responsável e sustentável; a conservação dos recursos a longo prazo e a proteção da biodiversidade regional em águas internacionais.

Na OPRAS , busca-se a gestão da área de alto mar por meio de acordos ou convênios regionais que impeçam ou contribuam para deter a pesca indiscriminada e predatória, buscando a cooperação dos Estados ribeirinhos para assim conseguir uma ordem elementar na exploração dos recursos. straddling.


Longe das nossas propostas seria negociar com quem o antecede e antecede e está ainda mais longe de facilitar o seu funcionamento cedendo o uso do porto, elemento de vital importância que o país tem de negociar internacionalmente e conseguir um regime de governação adequado à nossos interesses e necessidades.


As instalações portuárias permitem não apenas manter e aumentar a exploração, mas também abastecer a indústria chinesa e suas exportações para os mesmos mercados onde a Argentina compete com preços subsidiados. Os produtos argentinos são deslocados do mercado internacional enquanto a tarifa de entrada no mercado de origem é mantida.

O resultado é uma equação cujos termos contradizem claramente nossos objetivos gerais, produtivos e institucionais.


Portanto, é necessário renunciar, de forma simples e simples, a qualquer alternativa no sentido acima mencionado e, levando em consideração os interesses pesqueiros argentinos e sua competência nacional natural, desestimular também outras áreas que porventura estejam se manifestando, para que continuem neste questão fora de um tratamento abrangente e orgânico de natureza regional e multilateral.


Em minha opinião, um acordo sub-regional de governança e planejamento para a conservação e exploração sustentável deve preceder e somente depois analisar o acesso aos portos.


É possível discutir essa questão com maior amplitude conceitual sem deixar de lado que os portos são um elemento importante e essencial da negociação e que, por isso, é imprescindível primeiro focar e obrigar o ordenamento regulatório da área para depois analisar a questão da modalidade de acesso aos portos e não o contrário.


Eles vêm roubando recursos em alto mar há muitos anos. É um fato. A maior loucura é facilitar ainda mais a exploração irregular que fazem com irreverente indiferença.


Dr. Eduardo Pucci, Diretor Executivo da OPRAS

AC2 Produção, Comunicação & Marketing