Buscar

Alimentos azuis no enfrentamento da desnutrição, desenvolvimento sustentável e mudanças climáticas.


De acordo com o Marine Stewardship Council (MSC) , a organização sem fins lucrativos responsável pelo maior programa de certificação de frutos do mar

sustentáveis ​​do mundo, o estudo Blue Food Assessment (BFA) divulgado em setembro passado envia uma mensagem elevada para os legisladores: eles devem agir agora se quisermos que as gerações futuras se beneficiem da revolução alimentar azul.


O relatório oferece uma das análises mais abrangentes até hoje sobre o papel que os alimentos azuis podem desempenhar no enfrentamento da soma dos desafios colocados pelas mudanças climáticas, desenvolvimento sustentável e desnutrição.

Agora que a demanda global por alimentos azuis está prestes a dobrar até 2050, gerenciar os recursos de nossos oceanos de forma sustentável pode beneficiar as pessoas e o planeta.

De acordo com o BFA, embora o papel da aquicultura seja cada vez mais decisivo, para alimentar uma população em crescimento é também essencial gerir a pesca de captura mundial de forma sustentável, o que pode também servir para reduzir a pegada ambiental que geram proteína de origem animal em comparação com a produção terrestre.


Esta pesquisa mostra que se todas as pescarias de captura adotassem práticas sustentáveis, um adicional de 16 milhões de toneladas poderia ser capturado por ano e, as análises MSC sugerem, as necessidades de proteína de um adicional de 72 milhões de pessoas poderiam ser atendidas. no mundo todo.


A gestão eficaz das pescas é importante, como ficou demonstrado pela recuperação de determinadas unidades populacionais de peixes como, por exemplo, algumas espécies de atum com valor comercial, a marlonga, o bacalhau islandês e a anchova da Cantábria.


Globalmente, no entanto, a percentagem de unidades populacionais de peixes sobreexplorados aumenta ano após ano, 34% são sobreexplorados para além dos limites da sustentabilidade. A mudança climática também apresenta novos desafios para algumas das pescarias mais bem administradas do mundo.

Muitos governos estão tendo dificuldade em chegar a um acordo sobre como realocar suas cotas de pesca e evitar a sobrepesca, uma vez que os estoques de peixes são distribuídos através de suas fronteiras geopolíticas. A recente suspensão da certificação sustentável da pesca da sarda, do arenque e do verdinho do Atlântico Nordeste é o exemplo mais claro.


Erin Priddle, Diretora da MSC Norte da Europa disse: “O estudo Blue Food Assessment mostra o enorme potencial que os alimentos azuis, tanto cultivados quanto colhidos, têm para alimentar uma população mundial cada vez maior. É fundamental, no entanto, que esse crescimento seja sustentável e bem administrado.

A apenas nove anos do prazo para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, é chegado o momento decisivo para a ação dos legisladores.

Mudanças climáticas, crescimento populacional e pesca excessiva estão convergindo para criar uma tempestade perfeita que ameaça a saúde futura de nossos recursos marinhos e dos bilhões de pessoas que dependem deles. Os governos têm a responsabilidade, no interesse público, de proteger nossos oceanos para a geração atual e para as gerações futuras.

No entanto, vemos que a gestão pesqueira internacional está sob pressão, à medida que os governos lutam para chegar a um consenso sobre como compartilhar os estoques pesqueiros de acordo com importantes restrições científicas. Se ouvirmos a ciência, a experiência nos mostra que podemos aproveitar o potencial do oceano para alimentar e sustentar bilhões de pessoas enquanto protegemos sua incrível biodiversidade.