Embarcação industrial é apreendida com 200 kg de pescado em Arraial do Cabo

forsafelogo.png
logo.png
logo_20sindipi0.png
GC_20020.png

O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e a Unidade de Policiamento Ambiental (Upam) Costa do Sol/PMERJ estão intensificando a fiscalização contra a atuação de embarcações irregulares nos limites da Reserva Extrativista Marinha do Arraial do Cabo (Resex), na Região dos Lagos do Rio. Na última terça-feira (21/01), uma embarcação industrial foi apreendida com 200 kg de pescado. O mestre da embarcação foi levado para a delegacia por pescar em local proibido dentro dos limites da unidade de conservação. Além disso, ele foi multado em R$ 64 mil, segundo os agentes.

Já o pescado apreendido foi doado para o Fome Zero, que repassou para instituições locais, como Apae Búzios e Iguaba. Além da embarcação de pesca, três embarcações de turismo foram notificadas por trabalharem em desacordo com a autorização. Essas embarcações estavam explorando comercialmente o passeio náutico dentro da Reserva Extrativa. No entanto, barcos de outras localidades, que não sejam de Arraial do Cabo, não têm esse direito. Turistas até podem entrar na Unidade de Conservação, mas para isso é preciso pagar uma taxa de visitação. Por enquanto, a Resex explicou que a cobrança da taxa ainda está em fase de regularização. Segundo o Agente de fiscalização, Carlos Augusto Ribeiro Barbosa, o ICMBio está aumentando o rigor com a fiscalização para entradas de embarcações que estão explorando a Resex sem ter autorização.

Pesquisa catarinense

Os estudos para o cultivo de macroalgas em Santa Catarina começou em 2008 numa parceria entre Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri) e Universidade Federal de Santa Catarina (Ufsc). A Epagri/Cedap mantém dois cultivos experimentais de Kappaphycus alvarezii em Penha e Governador Celso Ramos e as negociações para autorização da produção foram retomadas no último ano.

Maricultura em Santa Catarina

Santa Catarina é o maior produtor de moluscos do Brasil. São 565 maricultores distribuídos em 11 municípios e gerando cerca de 2 mil empregos diretos. Em 2017, a produção girou em torno de 13,7 mil toneladas de mexilhões, ostras e vieiras.

O estado é o único do país que realiza o monitoramento permanente das áreas de cultivo. O Programa Estadual de Controle Higiênico Sanitário de Moluscos é um dos procedimentos de gestão e controle sanitário da cadeia produtiva, dando garantia e segurança para os produtores e consumidores.

AC2 Produção, Comunicação & Marketing